Certamente você já ouviu falar em harmonização orofacial ou harmonização facial. O procedimento, queridinho dos famosos, tomou conta do Instagram e consiste no equilíbrio estético e funcional da face de maneira global. Para o resultado harmonioso, existem diversos procedimentos e tratamentos, pensados de acordo com a necessidade de cada paciente.

Afinal, o que é harmonização orofacial?

 O cirurgião plástico e speaker da Sinclair Pharma, Dr. Francisco Tribulato, explica que o procedimento tem como objetivo equilibrar a face esteticamente e funcionalmente. Para isso, são utilizados diversos procedimentos, um exemplo é o uso de preenchedores de ácido hialurônico, como o Perfectha ou policaprolactona, como o Ellansé, além de ser possível também a aplicação de toxina botulínica e tecnologias como ultrassom microfocado, radiofrequência ou laser.

“Não existe um padrão a ser seguido em todos os pacientes. Cada caso deve ser analisado criteriosamente por um dermatologista ou cirurgião plástico, para a definição do procedimento ou protocolo adotado. Como resultado final, quando realizado por um profissional qualificado, temos uma alteração ou um realce do vetor positivo da face, com a suavização das linhas de expressão e o aspecto de face ‘descansada’”,  explica Dr. Tribulato.

 Procedimentos comuns na harmonização orofacial

 Mesmo que não haja um padrão no processo de harmonização orofacial, alguns procedimentos são bastante comuns nos consultórios. A cirurgiã plástica e speaker da Sinclair Pharma, Dra. Gheisa Leão, cita alguns deles:

Preenchimento facial: consiste na aplicação de ácido hialurônico ou outra substância preenchedora para aumentar ou repor o volume das maçãs do rosto e do queixo, além de promover uma melhor definição dos contornos;

Preenchimento labial: também utiliza substâncias preenchedoras, mas para corrigir o tamanho e o formato dos lábios, seja conferindo mais volume, remodelando-os para deixá-los mais simétricos ou redesenhando o arco do cupido;

Preenchimento de sulcos e olheiras profundas: as substâncias preenchedoras são utilizadas para nivelar sulcos como o bigode chinês, além de corrigir o desnível entre as pálpebras e bochechas que dá origem às olheiras profundas;

Toxina botulínica: trata-se de aplicação da toxina para levantar ou corrigir o ângulo da sobrancelha e suavizar rugas de expressão, como os pés de galinha e as linhas ao redor da boca;

 Fios de sustentação: consiste na inserção de fios de ácido polilático para promover o efeito lifting ao tracionar os tecidos sem recorrer a técnicas cirúrgicas;

O que é harmonização orofacial

A recuperação do procedimento

Os dias que sucedem o procedimento costumam ser uma preocupação de quem procura os especialistas em harmonização facial. No entanto, de acordo com a cirurgiã, por ser um tratamento não cirúrgico, a recuperação é relativamente simples e rápida.

“Em função das agulhas e demais técnicas, é normal ter um pouco de inchaço, mas não há necessidade de se afastar do trabalho, por exemplo.”, explica Dra. Gheisa Leão afirmando, também, que dependendo do procedimento existe a possibilidade de ocorrer vermelhidão, mas que este efeito é temporário e não limita qualquer atividade do cotidiano.

 A cirurgiã recomenda que, durante a recuperação, o paciente proteja a pele da exposição solar e não faça massagens faciais para não prejudicar a aplicação das substâncias preenchedoras.

 Quem pode fazer harmonização facial?

 De maneira geral, qualquer pessoa maior de idade pode ser candidata à harmonização facial, porém, de acordo com Dr. Francisco Tribulato, a idade não é uma contraindicação absoluta.

“Diversos fatores devem ser levados em consideração, como o grau da situação a ser tratada”, explica o especialista.

Apesar de pouquíssimos casos de contraindicações, segundo a Dra. Gheisa Leão, o procedimento não é indicado para pessoas que usem anticoagulantes ou tenham alguma doença autoimune.

“Também não indicamos a harmonização orofacial nos períodos de gestação e amamentação”, conclui a cirurgiã plástica.